segunda-feira, 24 de agosto de 2009

A gente foge tanto da tristeza, que quando ela vem, não tem jeito, nem caixão, nem vela. Sabe aquele dia que você extravasa até onde não puder mais uma falsa alegria que qualquer um que olhasse nos seus olhos com um pouco mais de atenção observaria a tristeza transbordando de dentro deles? E aqueles dias que você não aguenta mais guardar esta tristeza que como diria Augusto dos Anjos "é análoga à ânsia que escapa da boca de um cardíaco"? E tudo o que você mais queria era alguém que te olhasse dentro dos olhos e pudesse enxergar você no estado em que se encontra (por mais desgraçado que este seja).
E o pior de tudo, é que quando a mente está fraca, a tendência é piorar. É como o famoso ditado - "Mente vazia, oficina do diabo". A tristeza torna-nos, sem dúvida alguma, vulneráveis a qualquer tipo de opinião, e até a "tristeza" no sentido físico da palavra - a doença. Ontem dormi alegre, acordei triste. E essa tristeza se espalhou de tal forma que afetou o meu físico - foi mais além, e estou aqui digitando esse péssimo texto, acompanhada por minhas mãos inchadas, de pés que balançam apesar de estarem roxos, e de uma cabeça que não para de dar voltas.
Mas quem sabe numa dessas voltas a tristeza acabe indo embora? Eu não queria sequer cogitar a possibilidade de acreditar no verso que diz - "Tristeza não tem fim, Felicidade sim", mas às vezes o pessimismo toma dimensões que nem eu sei como escapar, pode até ser que seja falta de Deus, mas tem sempre algo mais...

Um comentário:

Naaaany ☼ disse...

Quando eu tô nesses dias,dá vontade de me trancar no quarto, me isolar o dia inteiro e chorar o dia inteiro *-*

Beijus,Vakarol!