domingo, 26 de julho de 2009

"Sonhos. Todos os têm. Alguns bons , outros ruins . Alguns tentam realizá-los , outros, tentam esquecê-los, ou simplesmente fingem que eles não existem . Alguns de nós, têm apenas pesadelos . Mas não importa o quanto você sonhe. de manha, os sonhos são interrompidos , a realidade insiste em interrompê-los ." - Gossip Girl.
Acho que o meu mal ou talvez um bem despercebido, seja tentar simplesmente esquecê-los. Sabe quando você sabe que você sonha com algo, mas ao mesmo tempo consegue ser tola de tentar ludibriar a si mesma? "Mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira"
É como se você não tivesse escrúpulos, tentar se fazer de boba, desentendida, e fingir que você não quer o que você sabe que por mais que não esteja na cara, tá estampado na sua mente. E martela, e vibra, e reverbera. É um eco. Um eco do seu próprio desejo, que você tenta tapar com a mão, como um louco tenta tapar o sol com uma peneira.
Mas ignorar-se a si não deve ser tomado como um simples gesto de masoquismo, ou de chofre um egoísmo. Ignorar ao próprio desejo é na verdade o reflexo ou falso, ou não do medo, da falsa autoproteção que nos cerca. {Se começo a sonhar, melhor cair da cama, antes que comece a sonhar mais alto e tenha que enfaixar algum membro do corpo}. Mas isso é bad, é mal, é cruel. Aniquilar os próprios sonhos é a maneira mais covarde de se pedir arrego. E nessa tentativa de aniquilamento surgem pesadelos com os quais surgem também um medo enorme, e que me dizem que devo permanecer sempre acordada, alerta!
E eu me sinto como um porteiro em altas horas, um vigilante que depende da fuga de um sono pra ganhar seu ganha-pão. E eu me digo avante! "Quem sabe a vida é não sonhar".
Mas meu subconsciente pisciano e vacilante insiste em alcançar as nuvens sublimantes.



Que coisa, menino.

Um comentário:

Naaaany ☼ disse...

"Nós somos do tecido de que são feitos os sonhos."
(William Shakespeare)