quinta-feira, 8 de julho de 2010

A vã procura das sete cabeças.

Em meio a futilidades, como o novo cabelo da Ana Maria Braga; ainda há notícias de verdade a serem comentadas. O clichê da semana é sobre a prisão mais falada do ano até então: do goleiro Bruno, acusado de encomendar a morte de sua ex-amante.
Enquanto o enxame de repórteres e pseudo jornalistas rondam os 'bastidores' atrás de um furo de reportagem (quem sabe atrás de uma possível confissão), vi poucas análises a respeito do comportamento do jogador. Para todos, é o "goleiro assassino do flamengo, e merece pagar pelo que cometeu", e assim a mídia conduz a população a um quadro introdutório de pânico moral. E poucos são os que realmente vêm o jogador como produto de uma infância difícil, abandonado pelos pais e, de certa forma, insensibilizado diante de certas emoções - perceptível de maneira visível há mais de meses atrás, quando, em defesa de seu colega de clube Adriano, disse "quem nunca discutiu, ou até que não saiu na mão com a mulher aí, né cara?". Bruno fora bastante criticado, contudo, as pessoas e, principalmente as instituições do nosso país têm a memória curta - a própria Eliza Samudio já havia prestado depoimentos, dizendo estar sendo vítima de ameaças e, no entanto, a justiça não fez absolutamente NADA a fim de proteger sua integridade física e moral (se é que ela as tinha realmente - o que não lhe dá o 'direito' de ser morta friamente por ninguém).
O chefe do Departamento de Investigações da Polícia Civil de Minas Gerais (DI-MG), Edson Moreira afirmou: "Bruno Fernandes das Dores Souza, ídolo e monstro". Sei que milhares (ou não) de vocês concordaram com a tentativa de apelação emotiva do delegado. Contudo, reconhecer um distúrbio psicológico como monstruosidade é generalizar e classificar como 'monstros' todos aqueles que apresentam graves transtornos psíquicos. E nem sempre procurar os monstros da história, ou onde o bicho perdeu as setes cabeças é a solução mais cabível.
Ao contrário de incitar a comoção popular à caça ao monstro, um delegado deve se ater a seu trabalho e medir um pouco mais das palavras que dispara em frente às câmeras e gravadores.
E quanto ao Bruno, é incrível como nos dias de hoje existam caras tão burros e que se manchem por tão pouco. Enfim, meus pêsames pela alma dele.


"Sorte de hoje: seu cabelo não é igual ao da Ana Maria Braga"

Um comentário:

Naaaany ☼ disse...

a ana maria braga tem tanta grana e nao põe megahair no cabelo todo. poxa ;~


falando do bruno,
veja beeeeeeeeeeeeem.
espero que ele morra e vire comidinha de cachorro.
AH. pronto,falei.