domingo, 13 de setembro de 2009

Quando você me olhou pela primeira vez - não, não foi amor à primeira vista - eu apenas fiquei sem graça. E fingi não perceber aqueles olhos que se voltavam na minha direção.
Da segunda vez, foi diferente... Quem olhava era eu, e tentava desta vez fingir que não olhava. Mas foi inevitável. E inevitavelmente, os olhares se cruzaram.
E, de um simples olhar, saiu um sorriso bobo, do nada... Até que algo puro e envolvente acontecesse. Sem data de início, ou previsão de término.
No entanto, apesar de não sabermos quando isso acabará, as coisas, as situações e circunstâncias mudam. Os olhares, ao acaso de acontecerem, já não se seguem de um sorriso bobo, e sim de uma dúvida: do que será o amanhã?

2 comentários:

Ananda Luz disse...

biisha, curti viu dete... você disse tudo, eu imaginei a situação *__*

Brendinha disse...

muito bom seu post velho ;)